quarta-feira, 29 de maio de 2024

Cobertura de Show: Hard ‘N Heavy Party – 11/05/2024 – Manifesto Bar/SP

No dia 11/05 (sábado), o Manifesto Rock Bar, famoso reduto do Rock em São Paulo, foi palco de um esperado retorno: a festa Hard ‘N Heavy Party, concebida por Carlos Chiaroni, proprietário da Animal Records, e que fez muito sucesso nos anos iniciais da década de 2000. A edição mais recente do evento contou com performances dos talentosos vocalistas Robin McAuley, John Corabi, Chez Kane e Erik Martensson, acompanhados pelos habilidosos músicos Bruno Luiz (guitarra), Bento Mello (baixo), Gabriel Haddad (bateria) e Bruno Sá (teclado).

Chez Kane, uma das vozes mais promissoras do Hard Rock atual, deu início a noite de uma maneira espetacular. Com um talento e carisma incomparáveis, a cantora britânica apresentou um show incrivelmente contagiante, repleto de músicas de seus dois únicos álbuns, que carregam fortes influências do Hard Rock dos anos 80. Destaque para canções como "All of It" (dona de um refrão poderoso), "Get It On", "Ball n' Chain", a animada "Love Gone Wild" e "Rock You Up", esta última recebida com calorosos aplausos.

Ao longo do espetáculo, Chez exibia sua felicidade por estar se apresentando pela primeira vez no Brasil, mantendo a interação com a banda e os poucos fãs presentes. Esse afeto foi particularmente notado durante a performance de "(The Things We Do) When We're Young in Love", quando, com sua beleza deslumbrante, ela desceu do palco para cantar no meio da plateia, permitindo que todos se aproximassem dela.

Durante a apresentação, houve até uma surpreendente interpretação de "Mary On a Cross", da banda Ghost, antes de encerrar com "Rocket On Radio", seguido pelos tradicionais cantos de "ole, ole".

Em seguida, foi a vez de John Corabi subir ao palco, levando consigo um repertório acústico que revisitou os momentos mais marcantes de sua carreira. O ambiente tornou-se mais intimista, sem a agitação típica de um show eletrizante, o que acalmou os ânimos da plateia até o momento em que ele começou a tocar "Something I Said", do The Dead Daisies, banda que integrou de 2015 até 2019 e que voltou há pouco tempo no lugar do Glenn Hughes. Neste instante, pediu para que todos acompanhassem cantando o refrão. 

A energia vibrante do público também se fez presente nas clássicas "Misunderstood", "Loveshine" e "Hooligan’s Holiday", todas tirada do único disco que gravou com o Mötley Crüe, em 1994. As canções foram recebidas com entusiasmo, resultando em uma cena curiosa: pela primeira vez durante sua apresentação, todos os presentes se renderam aos seus celulares.

John também fez questão de relembrar os tempos de The Scream, da qual fez parte antes de unir-se a Nikki Sixx e companhia. A emocionante "Father, Mother, Son" e "Man In The Moon" deram uma leve ecoada na plateia. O americano também incluiu alguns covers em seu setlist, como "Hard Luck Woman", do Kiss, que foi muito bem recebida pelos espectadores.

De regresso à abordagem convencional, Robin McAuley apresentou a sua classe, elegância e categoria, palavras as quais refletem as iniciais do dono da festa e que descreve, com perfeição, a personalidade do irlandês, que alcançou o devido renome por ter integrado o McAuley Schenker Group ao lado do icônico guitarrista Michael Schenker.

Aos seus 71 anos de vida, Robin mantém uma voz forte e intacta, que encantou tanto os mais velhos como os mais novos ao interpretar as músicas dos álbuns “Perfect Time”, “Save Yourself” e “MSG”, incluindo temas como “Gimme Your Love”, “Rock Till You Crazy”“Love is Not a Game” e "This Is My Heart". Além da sua excelente capacidade vocal, o cantor, que não parava quieto um instante em cima do palco, demonstrou ter bastante energia e entusiasmo, proporcionando uma atuação verdadeiramente magnífica.

As músicas dos seus projetos mais recentes não foram esquecidas. “Genaration Mind” e “Shake the World” foram as duas escolhidas do Black Swan; “Alive” e “Standing on the Edge”, que se mostraram mais intensas ao vivo, fazem parte da sua carreira solo. Inicialmente, todas tiveram uma recepção discreta, mas conquistaram o público à medida que eram executadas. Após elas, surgiu “We Believe In Love” – interpretada no estilo presente no álbum Unplugged Live, ou seja, de forma acústica – e a muito aguardada “Anytime”, que não podia faltar e que deixou todos extasiados. 


Os clássicos "Only You Can Rock" e "Lights Out" do UFO foram as últimas músicas tocadas em um gesto de gratidão ao seu antigo amigo de banda. Foi algo muito adequado vindo de Robin, afinal, se não fosse por Michael Schenker, esse momento especial não teria sido possível.

Ao início do domingo, a exaustão física levou alguns a retornar para suas residências, sem interesse em assistir ao show do talentoso Erik Martensson, já que o haviam visto recentemente com o Eclipse no Summer Breeze Brasil, há menos de quinze dias.

Além das músicas de sua banda principal, Erik surpreendeu os fãs brasileiros ao apresentar canções de seus outros dois projetos musicais, incluindo W.E.T, que tem o talentoso Jeff Scott Soto como vocalista principal. 

Embora tenham sido poucas, foram o suficiente para se destacar na noite e emocionar a plateia com performances brilhantes de "Got to Be About Love", "Big Boys Don't Cry" e "Watch The Fire" pelo músico sueco, que nunca havia tocado e cantado elas ao vivo, assim como "Hypocrisy", do álbum de estreia do Nordic Union, originalmente cantada por Ronnie Atkins.

As conhecidas "Saturday Night (Hallelujah)", "The Downfall Of Eden" e "Viva La Victoria" também foram incluídas no setlist, porém foram as menos lembradas"Wylde One" e "To Mend Broken Heart", ambas do álbum "Are You Ready To Rock", que se destacaram e foram as mais aclamadas pela audiência. Foi uma oportunidade única de apreciar essas músicas ao vivo, deixando aqueles que não puderam comparecer sentindo a falta do evento.

Durante o evento, Erik optou por não tocar guitarra, o que o deixou livre para se dedicar totalmente ao canto, pulando e se movendo por todos os cantos do pequeno palco com seu ilustre pedestal vermelho. Em alguns momentos, senti falta da presença de uma segunda guitarra, o que teria dado um toque mais intenso às músicas. No entanto, Bruninho conseguiu lidar muito bem com a situação. 

A Hard 'N Heavy mais uma vez ofereceu uma oportunidade incrível de presenciar artistas que nunca pensamos que veríamos ao vivo no Brasil. Além da experiência musical, uniu aficionados de diferentes gerações com um apreço em comum. Esperamos que essa festa se repita anualmente de agora em diante.


Texto: Gabriel Arruda

Fotos: André Tedim


Realização: DNA Rock Events

Mídia Press: ASE Press


Chez Kane

I Just Want You

Too Late for Love

All of It

Nationwide

Better Than Love

Love Gone Wild

(The Things We Do) When We're Young in Love

Ball n' Chain

Get It On

Rock You Up

Powerzone

Mary on a Cross (Ghost cover) 

Rocket on the Radio


John Corabi

Love (I Don't Need It Anymore)

If I Never Get to Say Goodbye

Who'll Stop the Rain (Creedence Clearwater Revival cover)

Father, Mother, Son

Something I Said

Misunderstood

Loveshine

Hard Luck Woman (KISS cover)

Robin's Song

Set Me Free

Hooligan's Holiday

Drive (The Cars cover)

Man in the Moon


Robin McAuley

Save Yourself 

Gimme Your Love

Rock ‘til You’re Crazy

Love is Not A Game

This Is My Heart

When I’m Gone

Genaration Mind

Shake The World

Alive

We Believe In Love (acoustic version)

Standing On The Edge 

Anytime

Only You Can Rock Me (UFO cover)

Lights Out (UFO cover)


Erik Martensson

Wylde One

Hypocrisy

Rise Up

Saturday Night (Hallelujah)

To Mend Broken Heart

Got To Be About Love

Big Boys Don’t Cry

Downfall Of Eden

Mary Leigh

Runaways

Watch The Fire

Viva La Victoria 




Nenhum comentário: