domingo, 17 de dezembro de 2023

Cobertura de Show: Abbath – 19/11/2023 – Vip Station/SP

Em um domingo chuvoso e sombrio, o ícone do Black Metal e um dos fundadores do IMMORTAL – uma das bandas pioneiras mais relevantes do Black Metal norueguês –, Olve Eikemo (vulgo ABBATH), com sua banda de mesmo nome, fez uma excelente apresentação no Vip Station, em São Paulo, promovendo seu mais recente álbum, “Dread Reaver”. As bandas de abertura souberam preparar muito bem o público para o caos, as quais foram os cariocas do SANGUE DE BODE, os paulistas do INFAMOUS GLORY e os colombianos do VITAM ET MORTEM.

Na ativa desde 2017, SANGUE DE BODE (do Rio de Janeiro) entrou no palco pontualmente às 16:30 com muita energia, mostrando um som extremo diversificado com influências desde Death/Black Metal e Thrash Metal crossover no mínimo interessante. Mesmo com um público ainda tímido, a banda – formada por Verme (vocal), Nekrose (guitarra), Zé (baixo) e Sinue (bateria) – agradou o pessoal que chegou cedo. Destaque para a performance agressiva de Verme. Fizeram um set de 30 min com músicas de seus dois álbuns “A Sombra que Me Acompanhava Era a Mesma do Diabo” e “Seja Bem Vindo de Volta pra Cruz”.


Sangue de Bode
Minha Refeição é no Lixão
Jazigo
Necroprimata
O Habitante da Sua Mente
Cinza
Comendo Lixo
Messias de Merda
Filho de um Manequim
Possuído Dentro da Vala
A Praga Humana
Dez Furos na Cabeça
A Celebração
Chafariz de Sangue
Ando Esquisito e Meio Doente


Mais uma galera foi chegando, e foi a vez dos veteranos do INFAMOUS GLORY dominarem o palco com seu Death Metal visceral – muito bem trabalhado nos moldes old school – sendo bem recebido pelo público. Formada por Coroner (vocal), Kexo (guitarra/vocal), André Neil (guitarra solo), Tonhão (baixo) e Gustavo Piza (bateria), a banda começou em 99, e seu set de 30 minutos teve clássicos de vários álbuns de toda sua carreira, incluindo dois novos sons do próximo álbum, “Algor Mortis”, que será lançado em 2024. Destaque para os solos intrincados de André.


Infamous Glory
The Funeral Horde (Idem, single, 2021)
The Last Spell (The Conjuring, EP, 2015)
Sovereign Of Darkness (An Ancient Sect Of Darkness, album, 2019)
Drowned in Obscurity (An Ancient Sect Of Darkness, album, 2019)
Ruthless Inferno (Algor Mortis, álbum, 2024 - a ser lançado)
Abysmal Grief (An Ancient Sect Of Darkness, album, 2019)
In The Cold Mist of Death (Algor Mortis, álbum, 2024 - a ser lançado)


Com o Vip Station um pouco mais cheio foi a vez do VITAM ET MORTEM, outra banda veterana, a destilar seu Blackened Death Metal calcado com elementos de sua cultura indígena colombiana. Formada em 2002 por Julian Trujillo (vocal/guitarra), Irkalla (baixo), Julian Rodriguez (vocal/bateria) e acompanhado de Arley Florez (guitarra). 

Foi uma performance muito interessante, com direito a muitos aplausos do público, o que deixou os colombianos muito felizes. O set, de 40 minutos, teve músicas de seus seis álbuns lançados, destaque para o uso de flauta, os vocais de Julian Trujillo e a batera ultra rápida de Julian Rodriguez, que também fez vocais ferozes.


Vitam Et Mortem
Bienvenido al reino de los muertos
Barquero de los muertos
La danza de los gallinazos
Oro y dolor
El animero
Looking my decomposition


Confesso que o tempo de quase uma hora, desde o fim do show do Vitam Et Mortem até começar a performance do Abbath foi um pouco cansativo, ainda mais que o festival começou cedo. 

Aos poucos a pista ia sendo preenchida, e o pessoal começava a se espremer perto do palco, ansiosos pela chegada de Abbath, que entrou no palco por volta das 20h com “Triumph”, uma ótima escolha do álbum “Damned In Black”, do Immortal, seguido de “Dream Cull”, do novo álbum “Dread Reaver”, a poderosa "Hecate", (“Outsrider”), e “Acid Haze”, outra do novo álbum.

Abbath se mostrou bem focado e empolgou a galera indo de um lado ao outro, porém, de início, o som ainda estava pecando nos vocais, que estavam um pouco baixos, ou talvez a massa sonora estivesse muito intensa.

Logo após rolou “Battalions”, de seu aclamado projeto anterior que mescla Black Metal com pitadas de Heavy Metal, I.  Na sequência rola “Ashes Of The Damned”, de seu álbum homônimo, e volta para o novo álbum tocando a grudenta faixa título, "Dread Reaver".

Ole André Farstad (guitarrista) e Andreas Fosse Salbu (baixista) estavam bem empolgados em suas performances, bangueando muito e interagindo com o público em volta, principalmente quando apareceu uma headbanger caracterizada de “Abbath” com corpsepaint e trajes característicos.  O Abbath “original” fez questão de chegar bem perto dela para admira-la, sendo um dos momentos bem-humorados do show.

Seguindo adiante, despejam as pedradas "In My Kingdom Cold" e "Beyond The North Waves", duas músicas clássicas do “Sons Of Eternal Darkness”. 

Neste momento se destaca a performance do batera finlandês Ukri Suvilehto, que é uma verdadeira máquina de brutalidade. Embora estivesse escondido atrás de um imenso logo em Metal do Abbath, estava mandando ver na bateria.

Voltando para sua carreira solo rola The Artifex, do Outsrider, e as empolgantes Winterbane e Fenrir Hunts, do álbum homônimo. No fim da música, Abbath agradeceu ao público e espera vir de novo em breve.

Warriors, de seu projeto I, foi um dos auges do show, com um público ensandecido cantando junto. No fim da música, Abbath joga uma água para o público, que a esta altura estava pegando fogo.

O pessoal gritava muito várias músicas do Immortal, mas o tempo era curto para tantos clássicos. Além do foco ser sua banda solo, que mostrou estar em pleno vigor, quebrou tudo com “Endless”. Logo após saíram do palco enquanto o pessoal gritava em êxtase, voltando rapidamente para o encerramento com "One by One”, mais um clássico do Immortal, do álbum “Sons Of Northern Darkness”.

Foi 1h15 minutos de uma intensa apresentação, mostrando um Abbath agressivo e ao mesmo tempo bem-humorado, chegando a fazer aquela dancinha de caranguejo no palco. Foi muito bom ver que este músico extraordinário tenha se recuperado e feito uma volta triunfal pela América Latina (N.T.: para quem não se lembra, em 2019, a tour sul-americana foi cancelada logo no início devido a problemas pessoais).

Agradecimentos a Alan Magno & Caveira Velha Produções.


Texto: Juliana Novo (@juliananovoakadarkmoon) 

Fotos: Leandro Cherutti (@leandro_cherutti)

Edição/Revisão: Gabriel Arruda (@gabrielarruda07)


Realização: Caveira Velha Produções (@caveiravelhaproducoes) 

Mídia Press: ASE Music Press (@ase_pres)

 

Abbath

Triumph

Dream Cull

Hecate

Acid Haze

Battalions

Ashes of the Damned

Dread Reaver

In My Kingdom Cold

Beyond the North Waves

The Artifex

Winterbane

Fenrir Hunts

Warriors

Endless

One by One

sábado, 16 de dezembro de 2023

Arde Rock - Terceiro Full Traz Mais Evidentes as Raízes Metal

 


A Arde Rock, já tradicional banda de Hard do interior do RS, completou em 2023 15 anos de estrada, e como parte das comemorações lançou seu terceiro full-lenght, "Seguir em Frente". Antes de nós atermos mais ao recém lançado álbum, vamos voltar um pouquinho no tempo para comentar os trabalhos anteriores.

Formada em 2008, inicialmente um quarteto, e depois de estabelecendo como trio, Killermano (vocais e guitarra), Thomás (bateria) e com a vocalista Simone Sattes assumindo o baixo (essa história vocês podem saber detalhes no live/entrevista com a banda pro Road AQUI).

Tendo como características letras que trazem mensagens positivas, alternância de vocais masculinos e femininos, além de também tocar versões Hard "apimentadas" de hits dos anos 80 (daí o trocadilho "Arde Rock"), a banda lançou o primeiro álbum autoral em  2012, "Velho Rock", que tem uma levada mais Rock & Roll e Hard Rock, com bons riffs e refrãos pegajosos.

Em 2017 lançam o segundo álbum, "Algo a Zelar", mostrando uma consolidação de suas características, e uma evolução com um som mais encorpado e mais diversificado, que além Hard, Rock & Roll e pitadas de Heavy, traz elementos Pop e Classic Rock.  Tem também novidades como a primeira faixa gravada em inglês, o hit "Dangerous" (Roxette), que já tocavam em seus shows ao vivo, e que recebeu aquela roupagem "apimentada". 

Falando agora sobre o novo álbum, "Seguir em Frente" mantém aquele diferencial de levar uma mensagem positiva nas letras, mas na sonoridade o que se destaca é uma tendência mais Heavy Metal, que como Killermano, principal compositor explicou, são as raízes músicais do trio, e fizeram um disco para eles mesmos. Claro, o Hardão apimentado está presente, e mais vitaminado.

Na capa minimalista, vemos uma mão empunhando uma guitarra, como se a banda dissesse "Nossa arma é a música, e vamos seguir em frente".

O disco foi precedido por três singles, "Encontrar as Respostas", numa levada bem Hard, "Conexão", Hard/Heavy que traz como convidado o ícone do Hard Gaúcho Jacques Maciel (Rosa Tattooada) dividindo os vocais com a dupla Simone e Killermano. E o terceiro single é a pesadíssima "Lei da Atração", um Heavy Metal de riffs encorpados, numa linha Judas Priest/Halford, com Killermano inclusive caprichando nos agudos.

A tônica de "Seguir em Frente" é essa pegada mais voltada ao Heavy Metal tradicional, e na abertura "Enfrente", cadenciada e pesada,  temos cozinha e bases com pegada, e Killermano utilizando harmônicos e Wha-Wha, trazendo um resultado bem legal. 

Simone Sattes (foto por Cristiano Godoy)

Destaque também para a "arrastada" e melodiosa "Caminho a Trilhar", com nuances de Blues; o Hard vibrante de "Antigo", que celebra a paixão sobre carros vintage e o heavy pesado e cadenciado de "Evolução".

"Seguir em Frente" mostra uma banda madura, que evoluiu, consolidou seu nome no interior do estado (provavelmente sendo uma das que mais faz shows) e traz doses extras de peso e energia comparado aos trabalhos anteriores. Agora é seguir em frente e levar o seu Heavy/Hard apimentado para alcançar um merecido público maior.

Thomás (foto por Cristiano Godoy)

Vale registrar que a banda tem um programa no Youtube toda terça, A Voz do Coração,  que já está na segunda temporada, e faz um trabalho nas escolas de Santa Maria, levando o Rock and Roll e um papo sobre saúde mental, apoiados por profissional da área, fruto de projeto cultural aprovado pela prefeitura de sua cidade.

Ainda sobre o álbum,  teve show especial no dia do lançamento, quinta-feira 14/12, onde o público recebeu de presente o CD físico, também  parte do referido projeto cultural.

Texto: Carlos Garcia

Fotos: Arquivo da banda e divulgação 

Site Oficial Arde Rock

Arde Rock no Jornal do Almoço RBS TV






sábado, 9 de dezembro de 2023

Cobertura de Show: Hardcore Superstar – 18/11/2023 – Carioca Club/SP

São doze discos gravados, singles e vários vídeos clipes ao longo dos anos. Esse é um breve resumo do Hardcore Superstar, banda de Hard Rock sueca, que nunca havia feito shows no Brasil e América Latina. Mas graças a produtora Dark Dimensions, essa longa espera acabou, e finalmente eles estrearam em solo brasileiro em novembro último (N.T.: show era para ter acontecido em outubro, mas devido a motivos de força maior do guitarrista Vic Zino, foi postergada para novembro).

O verão mal começou e as principais capitais tem recebido uma forte onda de calor, que bateu os 40º graus na semana que antecedeu o show em São Paulo, tanto que, por ordem política, foi determinado a distribuição de água natural em eventos ao ar livre. Os locais fechados, porém, ficaram isentos dessa regra, mas para evitar que algo de ruim acontecesse, o Carioca Club fez questão em colocar ventiladores com jato d’água para refrescar a galera.

Infelizmente, a presença de público foi abaixo do esperado, o que comprova que o gênero é destinado para um nicho específico. Porém, para quem gosta de assistir shows de forma mais reclusa,  se sentiram bem à vontade para ver os suecos e brasileiras InluztNite Stinger, responsáveis por iniciarem os trabalhos do dia.

Devido alguns contratempos, não consegui pegar o comecinho do show da Inluzt, um dos nomes promissores do Hard Rock brasileiro. Oriunda de Ribeirão Preto e com quase meia década de atividade, o quarteto entregou uma apresentação excelente e cheia de atitude. Dentre as bandas de apoio, é a que mais se assemelha com os donos da festa em questão do som, flertando bastante com o Sleaze Rock.

E falando em Sleaze, o baterista Lexxi Souza, que tocou que nem um monstro, é o que mostrou todo esse lado na parte visual; Fabz foi um herói por ter entregado toda sua energia em cima do palco quente e com pouca ventilação, chegando a pedir gelo e qualquer tipo de bebida para manter o folego até o final. Uma pessoa, em sã consciência, logo atendeu o favor – Roxx (guitarra, vulgo Nikki Sixx) e Brun (baixo) completam a formação.

Vindo direto de Curitiba e sem ter feito passagem de som, o Nite Stinger também entregou uma inolvidável performance, que teve pequenos problemas no som de início. 

Formado pelo vocalista Jack Fahrer, os guitarristas Bruno Marxx e Marc DeLuca – que se encaixou perfeitamente na banda –, e o baixista Bento Mello vem ganhando cada vez mais notoriedade nessa nova era de bandas de Hard Rock que vem surgindo no país, e graças a esse reconhecimento que a banda foi escalada para tocar, ano que vem, na segunda edição do Summer Breeze Open Air Brazil.

Sempre muito carismático, Jack Fahrer mostrou toda sua pinta de ‘rockstar’, falando em inglês em determinados momentos e explicando o conceito por de trás de algumas músicas como “Let Met In” e “Gimme Some Good Lovin’”, primeiro single do até então ‘debut’ álbum. 

Mas o grande destaque ficou para a nova (e esperada) “All Nite & Day”, que será lançada esse mês e que estará no próximo álbum, a ser lançado em abril do próximo ano e que tem tudo para se tornar o maior hit do gênero no Brasil. E eu posso garantir: QUE MUSICA!

Originalmente, a banda conta com o lendário Ivan Busic, do Dr. Sin, na bateria. Mas sem anuncio e aviso prévio, quem comandou as baquetas foi o grande Rafael Rosa, da Sinistra.

Depois de meia hora de atraso, os donos da festa, enfim, entraram em cena para deixar o clima ainda mais quente, às 19h35. 

Com a capa do Abrakadabra, lançado ano passado, sendo exibida atrás do palco, Joakim Berg (vocal), Vic Zino (guitarra), Martin Sandvik (baixo) e o produtor Johan Reivén (bateria) – que vem cobrindo a ausência do Magnus Andreason – iniciou os trabalhos justamente com a faixa título do último álbum após Joakim cumprimentar todos os que estavam pertinho do palco.

Quem já deve ter visto vídeos da banda tocando ao vivo sabe o quão é insano é o show dos caras. E era de se esperar por intensidade, que logo se relevou nas efusivas “Electric Rider” e “Into Debauchery”, ocasionando um inesperado apagão no sistema de som após o término, mas que não demorou muito para ser restabelecido. O ocorrido até que fez bem para o público e a banda, que estava super feliz de estar no Brasil, voltar com mais gás do que já estava no começo.

Boa parte do set abrangeu músicas do “Black Album” (não, não é do Metallica), que, para muito dos fãs, é considerado o melhor da carreira e que fortaleceu o nome da banda mundialmente, e as primeiras deste clássico vieram com “Wild Boys” – onde o público acompanhou Joakim nos ‘Oh, Oh, Oh’ e ‘Yeah, Yeah, Yeah’ na melodia que antecede o final dela –, e a empolgante “My Good Reputation”. “Liberation”, do pouco lembrado “Bad Sneakers and a Pina Colada", veio na sequência.

“Aqui está mais quente que o inferno”, dize Joakim que, junto com Vic, agitaram a pequena plateia com muita adrenalina, atenuada com as calmas “Standin’ on the Verge” e “Someone Special”. 

Os apaixonados por álcool tiveram uma surpresa no final, só que antes disso acontecer, o quarteto emplacou “Last Forever”, “Moonshine” (que tem um swing contagiante) e “Bag on Your Head”, que com todo o seu peso, colocou o Carioca abaixo. 

Com a cerveja na mão de Joakim, ficou evidente que a próxima seria “Last Call for Alcohol”, maior hit da história da banda. E por ela falar justamente sobre álcool e diversão, foram distribuídos vários ‘shots’ de Whiskey (se não for me corrijam, por favor) para os que estavam bem próximos do palco.

Como a maioria deve saber, o HCSS não gosta de celebrar os domingos, deixa perfeita para mandar outro clássico, “We Don’t Celebrate Sundays”, restando três horas para virar o dia.“You Can’t Kill My Rock ‘n Roll” pôs fim no show de quase duas horas. O título, que em tradução livre significa “Você Não Pode Matar Meu Rock ‘n Roll, ganhou uma camiseta a qual o Joakim usou no show e que foi vendida no merchandising.

Um show para lá de avassalador, onde público vibrou, cantou e pulou até o último minuto, que mesmo com os problemas no início, não pararam um segundo se quer. As únicas reclamações que deixo a respeito desse show é não terem tocado “Above the Law” e “Dreamin’ in a Casket”, que foi tocada nos shows de Belo Horizonte e Curitiba. Segundo Joakim, esse show será primeiro de muitos aqui no Brasil. Espero que não demorem muito para voltar.

 

Texto: Gabriel Arruda (@gabrielarruda07)

Fotos: André Tedim (@andretedimphotography)

 

Produção: Dark Dimensions (@darkdimensionsbrasil)

Mídia Press: JZ Press (@jzpressassessoria)

 

Hardcore Superstar

Abrakadabra

Electric Rider

Into Debauchery

Wild Boys

My Good Reputation

Liberation

Standin’ on the Verge

Someone Special

Last Forever

Moonshine

Bag on Your Head

Last Call for Alcohol

***Encore***

We Don’t Celebrate Sundays

You Can’t Kill My Rock ‘n Roll