sábado, 8 de agosto de 2020

Entrevista: Affront - Thrash Metal em Alerta Contra o Colapso Mundial


Formado em 2016 pelo baixista e vocalista M. Mictian, o Affront é um power trio de Thrash/Death Metal que traz agressividade e riffs fortes, mas também apresenta linhas melodiosas na guitarra. Tem também como característica marcante, as letras que buscam fazer refletir, principalmente quanto ao pacote de mazelas, ganância, consumismo e outros males da humanidade.

A banda já está com seu segundo full-lenght lançado, "World in Collapse", o qual vem recebendo muitos elogios da imprensa especializada. Mesmo com alguns planos tendo de ser adiados, o Affront segue divulgando o trabalho, que também está disponível nas plataformas de streaming, e inclusive recentemente lançou novo vídeo, que vem tendo excelente repercussão.

Conversamos com M. Mictian para falar um pouco mais a respeito de "World in Collapse", o qual traz um título e muitas músicas bem adequadas ao momento atual no mundo, além de vários outros assuntos! Confira agora:


RtM: O título mundo em colapso se mostrou bem adequado ao momento que a humanidade vinha passando, e agora podemos dizer que foi quase profético para este momento atual. Comente um pouco sobre o título e a mensagem que você quis transmitir.
M.Mictian: Quando comecei a escrever esse disco eu tinha observado que pelo mundo muitos países (Austria, Polônia, Itália, Hungria, Brasil...etc) tinham candidatos políticos de Extrema Direita e que essa praga crescia no mundo inteiro, então a única coisa que veio a minha cabeça foi um colapso global, e muitos deles acabaram eleitos, foi algo que se concretizou. Claro que o mundo sempre teve enormes problemas, e políticos gananciosos como de praxe, mas essa crescente me chamou a atenção naquele momento e me assustou muito confesso, e o título surgiu assim nesse medo permeado por dúvidas quanto ao futuro do mundo, e a concepção da capa também seguiu essa ideia.


RtM: Títulos e letras em português são utilizados já costumeiramente pela banda, além de alguns elementos que aparecem nas músicas. Gostaria que você comentasse a respeito, e acredito que isso também contribua para a identidade da banda, e possivelmente alguém de outro país ouvir, pode fazer a conexão de onde a banda vem.
M.Mictian: Olha eu tenho uma identificação muito forte, com minhas raízes e tradições do nosso país, e muitas das vezes gosto sim de pôr isso em práticas nas músicas que componho, eu gosto disso e se isso se transformar em um ponto de identificação da banda eu fico feliz, mas eu deixo acontecer bem naturalmente é assim que componho minhas músicas.

"Eu sempre vou me posicionar, se eu ver injustiças, racismo, preconceito e discurso de ódio, pode ter certeza que sempre irei contra."

RtM: Em comparação ao Debut, “World In Collapse” apresenta uma evolução natural, mas mais voltada ao Thrash Metal em si deixando em segundo plano as raízes do Death Metal. Isto foi proposital?
M.Mictian: Desde o começo a ideia pro Affront era que seria uma banda de Thrash Metal, mas fomos compondo e as coisas foram saindo uma miscelânea de Thrash/Death Metal, talvez por estar a anos em uma outra banda a qual fazíamos Black/Death Metal isso tenha ainda influenciado nas composições do primeiro álbum, mas já no segundo as ideias foram indo mais na direção a qual eu queria, e de forma fácil e tranquila sem forçar nada, não procurei nenhuma fórmula apenas deixei fluir.


RtM: Chamou-nos atenção o acréscimo de mais melodias, principalmente no trabalho das guitarras, mas mantendo a agressividade característica do Thrash. Foi um equilíbrio que vocês buscavam, trazendo um diferencial, ou algo que foi fluindo naturalmente?
M.Mictian: R.Rassan o nosso ex-guitarrista, e que gravou o álbum, é um excelente músico e um grande amigo, eu fui criando os riffs e em cima ele foi criando melodias e frases de guitarras, eu fui deixando e foi bem natural, e como a ideia era fazer um Thrash Metal assim mesmo, com melodias, mas com força nos riffs. Nós deixamos fluir e aconteceu.


RtM: Gostaria que você comentasse um pouco mais a respeito da "Theres's no Tomorrow", que inclusive foi escolhida para o novo vídeo.
M.Mictian: Parece que a humanidade caminha para isso mesmo, e desta forma não haverá amanhã, é a mensagem que a música passa, um consumismo desenfreado, destruição do meio ambiente e destruição do próprio ser humano, violência gratuita, adoração de mitos... é um pacote de mazelas, desgraças e horror a qual o ser humano está impondo ao mundo e a sua própria existência, caminhando a passos largos para sua destruição.

"A ideia era fazer um Thrash Metal com melodias, mas com força nos riffs...deixamos fluir e aconteceu."

RtM: "Your Lies, Your Fall" também é um tema forte e um destaque do álbum, nos fale um pouco mais sobre ela, título também muito atual.
M.Mictian: Meu filho mais velho disse que isso seria uma indireta para o fascista presidente do Brasil, talvez seja, mas também é uma “direta” ao ser humano falho, ganancioso, egoísta, invejoso, autoritário, às pessoas que mentem e fazem de tudo para vencer e não importam as consequências desses atos, e isso se enquadra em uma quantidade enorme de pessoas que conheço e convivi, mas que sempre, mais a frente a queda é inevitável, porque tudo que se consegue dessa forma as bases são feitas em areia e irão ruir.

RtM: Ainda sobre “World In Collapse”, como se deu o processo criativo do mesmo? Como está sendo o retorno do público referente ao trabalho?

M.Mictian: Basicamente eu começo a compor sozinho, músicas, letras e título do álbum, depois vou desenvolvendo cada tema, quando tenho um esqueleto e uma base geral para o álbum. Então entra o guitarrista para criar melodias e frases junto comigo, e assim terminando as músicas, as letras eu faço sempre sozinho para manter uma integridade e basicamente abordar assuntos que versam entre si, eu gosto de manter as músicas minimamente como uma tema só, conversando entre si.


RtM: Além do lançamento físico dos trabalhos que também foram lançados fora do país por gravadoras europeias, temos a intensificação do Streaming. Como é para vocês trabalharem com está realidade atualmente?
M.Mictian: Temos que nos adaptar ao que a realidade nos impõe, hoje se vende pouco material físico, isso é sabido por todos, então a gravadora propôs trabalhar muito em cima das plataformas digitais e não tem como fugir disso, então embarcamos juntos com eles para que o álbum, além de físico, pudesse também estar no streaming com bastante divulgação, essa é a realidade.


RtM: Em uma época de caos pandêmico e sem previsão de retorno à normalidade ou até mesmo de uma cura, como está sendo a rotina da banda e dos músicos atualmente?
M.Mictian: Eu me mantenho em isolamento, tenho um filho pequeno e não quero que nenhum um mal chegue a ele, infelizmente cancelamos algumas datas pelo Brasil, shows de divulgação do álbum, também atrapalhou e atrasou o lançamento do videoclipe, os ensaios estão parados, e mantemos contato via internet, a única maneira que temos no momento, vamos esperar todo esse caos passar e voltar com tudo e tentar recuperar o tempo perdido.


RtM: Apesar de vermos algumas opiniões contrárias, você acredita ser importante o posicionamento dos músicos quanto a situações políticas e sociais?
M.Mictian: Olha eu sou democrático, mas eu me posiciono sempre, não tenho medo não tenho vergonha, quem quiser que o faça também. Eu nasci numa favela, num barraco de madeira em cima de valão e não devo nada a ninguém, eu sempre vou me posicionar, se eu ver injustiças, racismo, preconceito e discurso de ódio, pode ter certeza que sempre irei contra. Agora tem pessoas que se sentem acuadas e outras que apoiam tais atitudes dos atuais governantes, eu acho errado não se posicionar contra o autoritarismo eu não irei abaixar a cabeça, haja o que houver.


RtM: Referente as lives que estão sendo feitas por diversos artistas e bandas, qual a sua opinião sobre está nova prática?
M.Mictian: Eu acho super válido tem que fazer sim, entretenimento bom é sempre bem vindo, as pessoas estão presas em casa (uma boa maioria que tem bom senso) e essas lives ajudam um pouco a tirar o tédio, eu acho super legal e válido sim.


Entrevista: Carlos Garcia e Renato Sanson

Affront é:
Marcelo Mictian: Baixo e Vocal
Marcel Barros: Guitarra
Lobato: Bateria

Canais Oficiais do Affront:




                                                        
       

Nenhum comentário: