sábado, 11 de setembro de 2021

Entrevista - Saeko Kitamae: De Volta e Encarando o Futuro

 


Saeko Kitamae é uma daquelas artistas que podemos chamar de guerreira, e que faz música com o coração. Desde que iniciou a busca pelo seu sonho de ter uma banda de Metal, inicialmente com bandas e projetos na cena japonesa, e em seguida partiu para a Alemanha. (English Version)

 Em 2002, enquanto estava nas ruas de Hamburgo distribuindo flyers em busca de músicos para formar uma banda, chamou a atenção de Lars Ratz (Metalium), que ficou impressionado com a atitude daquela jovem. A partir daí surgiu um grande parceria, com Lars produzindo os primeiros álbuns.  O debut teve boa repercussão, inclusive com Saeko indo tocar no Wacken.

Mas devido a vários percalços, logo após o lançamento do segundo álbum, "Life" (2006), Saeko teve de retornar ao Japão e interromper as atividades.

Mas a guerreira não se deu por vencida, e em 2020 era hora de retornar, e com auxílio de uma campanha de crowdfunding, gravou um novo disco. Início de 2021 a cantora teve mais um baque, a morte do grande amigo Lars Ratz em um acidente.  Era hora de reunir ainda mais forças e focar no novo trabalho, "Holy Are We Alone", lançado mês passado pelo selo Pride & Joy.

Conversamos com Saeko, que de coração aberto nos contou sobre sua carreira, as vitórias, as decepções, e claro, sobre o novo álbum, que traz uma conexão com os anteriores, e tem um belo conceito. Confira!


RtM: Você está na cena Metal há muito tempo, enfrentando altos e baixos e até se afastando dos palcos e estúdios, mas sempre ganhando força e voltando. Conte-nos mais sobre esse retorno e sobre esse novo álbum, que também contou com uma campanha de crowdfunding.
Saeko: Em primeiro lugar, obrigada por ainda se lembrar de mim depois de tantos anos. Talvez eu possa explicar mais tarde como as respostas a outras perguntas sobre o que aconteceu e como foi o sofrimento daqueles anos para mim, mas por enquanto, estou muito feliz por ter voltado com um ótimo álbum. Esse retorno foi possível graças aos patrocinadores da campanha de crowdfunding e a jornalistas solidários como você. Além disso, os grandes músicos que confiaram em mim e me ajudaram sem garantia (Guido Benedetti, Michael Ehré, Alessandro Sala e V. Santura). Sou muito grata a todas essas pessoas.


RtM: E por que você ficou tanto tempo sem lançar nada novo? Depois de realizar sonhos de tocar em um festival como o Wacken, recebendo uma boa resposta da crítica e do público com seus álbuns anteriores, você acabou suspendendo as atividades.
Saeko: Para resumir, algumas coisas aconteceram nos negócios na Alemanha e eu não consegui descobrir sozinho naquela época (2006), então não havia outra maneira a não ser interromper minha atividade musical. Quando parei minha atividade musical, minha autorização de residência expirou (eu só podia ficar na Alemanha com a condição de trabalhar para uma produtora / gravadora alemã). Então eu tive que voar de volta para o Japão. Mas no Japão, nenhum advogado japonês sabia como me resgatar do que aconteceu fora do Japão. Então, além da música, questões burocráticas e jurídicas ... Muitos obstáculos estavam por vir.



RtM: Puxa vida, tantas coisas burocráticas. E então?
Saeko: Já que todos os advogados japoneses jogaram fora meus assuntos, eu estudei e analisei por mim mesmo. Levei mais de 10 anos para descobrir os motivos e resolver os problemas. De qualquer forma, estou feliz por finalmente ter voltado, pelo menos. Aliás, a batalha mais difícil que tive dessa vez (2019) também foi com o Ministério das Relações Exteriores da Alemanha.
Tive de entregar muitas cartas, certificados e um grande plano de negócios para convencê-los a obter uma autorização de residência. É compreensível, no entanto. Se um estrangeiro visitar a imigração e disser: "Eu quero ficar na Alemanha para fazer heavy metal" ... presumo que a maioria dos funcionários diria "wtf", hahaha. De qualquer forma, estou na linha de partida agora e vamos ver como as coisas vão evoluir. A vida me ensinou uma lição. Agora vou enfrentar o futuro.



RtM: Quais são suas expectativas para essa nova fase com a banda?
Saeko: Antes do COVID, meus planos eram: 1. fazer o álbum, 2. encontrar uma agência de booking e 3. sair em turnê. Mesmo assim, o COVID mudou meu plano ... está normalizando aos poucos, mas ainda não encontrei uma agência de booking. No momento, estamos planejando fazer mais alguns vídeos com letras, enquanto procuramos uma agência. É uma época estranha, mas adoro fazer shows ao vivo. 

Na verdade, quero tocar no Brasil um dia, pois recebo muitas mensagens de fãs do Brasil. Enfim, nada é possível sozinho, mas muitas coisas se tornaram possíveis junto com pessoas que apoiam a mim e ao meu sonho. Então, espero que isso se torne realidade novamente. De qualquer forma, se houver alguma boa agência de shows lendo esta entrevista, entre em contato comigo.



RtM: Conte-nos sobre o conceito desse novo álbum, o lançamento diz que também teria uma conexão com os dois primeiros álbuns.
Saeko: Sim. Claro, o conceito tem conexões com esses dois álbuns, já que estou sempre escrevendo sobre o mesmo tema, a verdade eterna de nossos espíritos. Na verdade, liricamente, há várias histórias profundas acontecendo simultaneamente, mas esta entrevista é muito curta para explicar tudo.
Ainda assim, posso apontar algumas dicas interessantes aqui. Por exemplo, meu primeiro álbum (2004) foi intitulado "Above Heaven Below Heaven". Combinado com o título do próximo álbum, torna-se "Acima do céu, abaixo do céu, Holy Are We Alone".

Pessoas não asiáticas podem não reconhecer, mas alguém da Ásia certamente notará que esta é uma alteração da famosa frase de Bhudda: "Acima do Céu Abaixo do Céu, Santo Sou Eu Só". Além disso, os ouvintes que ouviram meu segundo álbum "Life" perceberão que a abertura do próximo álbum é uma alteração do final do segundo álbum, que acabou prevendo minha morte e renascimento:
"Não chore, logo te encontrarei de novo, lembre-se de mim ...". E o próximo álbum começa: "Chegou a hora, eu voltarei, Para te encontrar de novo"


RtM: Muito bom! Eu percebi a conexão na introdução do novo álbum. E muito bom que você está de volta.
SaekoEssa abertura sugere que a história continua. Mas também é a voz do SAEKO para os fãs de longa data, você sabe, para dizer que o SAEKO está finalmente de volta para você. 
De qualquer forma, o primeiro, segundo e o próximo, este terceiro, são feitos inspirados no mesmo tema.
O 1º álbum foi METAPHYSICAL, que descreveu a verdade eterna no OUTRO MUNDO. O segundo álbum foi PHYSICAL, que descreveu a verdade pessoal NESTE MUNDO, com base na minha vida real. E o novo álbum revela como esses dois mundos diferentes formam o universo juntos.



RtM: "Holy Are We Alone" traz letras em sete línguas, e também elementos da cultura japonesa, uma peculiaridade na sonoridade da banda, que até recebeu elogios em álbuns anteriores por apresentar uma identidade muito própria. Conte-nos mais sobre essas particularidades.
Saeko: Eu tenho minha filosofia: quando eu crio qualquer coisa - seja escrevendo letras ou compondo -, eu o faço com a mente vazia. Pode parecer muito oriental, mas é como uma meditação zen. Então, se há algo que você sentiu diferente do som anterior, é o resultado da minha criação e não o que eu fiz intencionalmente. Também contei essa minha filosofia para o Guido Benedetti (g), que me ajudou a compor, antes de trabalhar com ele. Então, ele disse que também é sua filosofia. Então, eu acho que nós dois tivemos sucesso em criar música, vindo do fundo de nossos corações. E acredito que tal atitude é exatamente o que dá uma identidade especial à música.



RtM: E que "surpresas" o público deve encontrar neste novo álbum?
Saeko: Que "surpresas" o público deve esperar? Hmmm, pergunta difícil, pois não pretendia surpreender ninguém, como disse acima. Mas eu mesmo me surpreendi com canções como "Índia: Farewell To You I", em que você ouve os cantos do Bhuddihism em sânscrito, e "Germany: Rebellion Mission", em que você me ouve cantando Mozart "Queen Of The Night Aria".



RtM: O primeiro single, "Russia: Heroes", foi lançado como primeiro single, gostaria que você nos contasse um pouco mais sobre essa música e sua bela letra.
Saeko: Como eu disse antes, várias histórias acontecem simultaneamente no álbum.
O conceito é que o personagem principal reencarna nos corpos de muitas pessoas ao redor do mundo, Japão, Rússia, Brasil, Índia, Alemanha ...

Mas eu queria tornar a letra o mais real possível. Então entrevistei uma pessoa desses países sobre sua vida. Com base em suas histórias de vida, escrevi as letras. Aliás, os olhos dos entrevistados também estão no encarte.

Para "Russia: Heroes", entrevistei um russo, que teve que faltar ao jardim de infância e aos primeiros anos do ensino fundamental devido a sua saúde debilitada.
Na entrevista, perguntei a ele quem era seu herói. Então, ele respondeu: "Eu considero quase qualquer pessoa que realmente realizou algo importante para si, mesmo que seja uma coisa muito pequena, um herói. Este mundo é complexo, a vida é difícil, mas eles conseguiram! Tenho orgulho deles." Essa resposta comoveu meu coração e tornou-se o refrão.


RtM: Eu sei que é difícil escolher, mas quais novas músicas você acredita que irão agradar mais aos ouvintes e por quê?
Saeko: Sim, isso é sempre difícil. Amo todas as músicas, é claro, e não consigo escolher nenhuma. No entanto, dependendo do seu gosto musical, certas canções podem agradar mais do que outras. Se você ama o power metal em geral, provavelmente vai adorar o primeiro single "Russia: Heroes". Se você ama algo mais progressivo, provavelmente vai adorar "India: Farewell To You I". Se você adora sentimentos de rock, provavelmente vai adorar "UK: Never Say Never". O ponto forte do álbum é que todas as músicas soam muito diferentes. É cheio de variedade, mas há uma sensação consistente de SAEKO ao mesmo tempo. Então, creio que você vai gostar de todos elas, afinal.



RtM: Conte-nos um pouco sobre o período com o Fairy Mirror, uma época em que você conseguiu ter uma visibilidade no cenário do Metal Japonês, mas acabou tendo que interromper as atividades.
Saeko: Oh, você quer dizer antes de 2001? Formei uma banda chamada Insania em 1997, que mudou seu nome para Fairy Mirror em 1999. Naquela época, quase nenhum selo japonês se interessava por bandas de metal japonesas, então toda a cena doméstica era chamada de 'underground', mas havia muitas boas bandas, e essas boas bandas estavam trabalhando juntas para dar suporte a toda a cena. Então, muitos músicos de metal japoneses se conheciam bem. Por exemplo, o primeiro baterista do Galneryus, Toshihiro "Tossan" Yui, estava tocando no Fairy Mirror em algum momento.
Eu também fui uma vocalista convidada no Manipulated Slaves, com quem cantei quando abriram a primeira turnê japonesa do Arch Enemy. Houve também uma compilação com Fairy Mirror, Onmyo-za (antes de ficarem grandes) e algumas outras bandas também.



RtM: E você teve bons resultados ou boas ofertas?
Saeko: Recebi ofertas de gravadoras, mas as me pediram para cantar e tocar de forma diferente para vender: Por exemplo, "por favor, cante como Tarja (Nightwish)" etc. Quase todo mundo me pressionou a fazer isso para ter sucesso, mas eu disse NÃO, o que foi o fim do meu tempo de Fairy Mirror em suma.

Enfim, fui para a Alemanha e voltei em 2006. Depois que voltei para o Japão, esses amigos músicos de metal de longa data me disseram para cantar novamente. Mesmo assim, por mais ou menos 4 anos, continuei rejeitando, pois meus problemas jurídicos não foram resolvidos e eu estava sem esperança de retomar a música na mesma escala. Lembro que na verdade não conseguia cantar, quando tentava as lágrimas rolavam.

Fairy Mirror, no Japão


RtM: E então?
Saeko: Ainda assim, em 2013, o Manipulated Slaves quase me forçou a sair em turnê como convidada com eles, colocando o anúncio em revistas japonesas. Depois disso, um projeto beneficente de heavy metal totalmente japonês, Metal Bless Japan, bem como bandas como Seventh Son e Rachel Mother Goose me convidou para participar de seus álbuns e shows.
Além disso, o cantor do Head Phones President me disse para não desistir tantas vezes. Sem eles, eu não estaria aqui agora. Não vou esquecer sua bondade.


RtM: E a opção por vir para a Alemanha? É mais difícil para um músico de metal no Japão alcançar seus objetivos? Conte-nos sobre a diferença de ter uma banda no Japão e na Europa.
Saeko: Não posso explicar todas as coisas complicadas nesta entrevista, mas publiquei um ensaio em japonês aqui, por exemplo:
https://note.com/saeko_metal/n/nc20e394c160d
Eu sei que você não sabe ler japonês, mas você pode imaginar que há uma razão muito profunda por trás disso. De qualquer forma, a indústria musical japonesa funciona de maneira completamente diferente dos países europeus. Não digo o que é melhor ou pior. Alguns músicos podem trabalhar melhor na indústria japonesa e outros na indústria não japonesa.

De qualquer forma, uma musicista como eu nunca pode trabalhar bem na estrutura da indústria musical japonesa. A mesma coisa vale para o mundo acadêmico. O tipo de pesquisador que será altamente avaliado na Europa geralmente não tem chance no Japão. O que a sociedade japonesa espera é quase o oposto do europeu. Não posso explicar mais do que isso nesta curta entrevista.

Flyer que Saeko saiu distribuindo nas ruas em Hamburgo, 2002, procurando companheiros para formar uma banda


RtM: As coisas começaram a acontecer quando você conseguiu o contato do Lars Ratz (Metalium), que acabou produzindo e, eu acho, tocando também no seu primeiro álbum com a banda Saeko, "Above Heaven - Below Heaven". Conte-nos um pouco sobre esse período, que acho que foi muito bom para vocês e apontava para um futuro promissor.
Saeko: Ele significou muito para mim, mas ele não tocou no meu álbum (o baixista do Fairy Mirror tocou o baixo no primeiro e no segundo álbum). Mas gostei de seus coros masculinos, gravados nos dois álbuns.

Você sabe como as coisas começaram com ele em 2003? Eu estava distribuindo panfletos, "Vocalista Buscando Juntar-se a Banda de Heavy Metal", sozinha na rua de Hamburgo. A maioria das pessoas talvez tenha considerado apenas uma piada, mas Lars levou a sério, e ele entendeu o quanto a música heavy metal significava para mim.
E ele me apresentou a Michael Ehre, V. Santura e tantas pessoas incríveis. Sem ele, esses 2 álbuns simplesmente não existiriam. Realmente, ele significava muito para mim.

Saeko e Lars Ratz

RtM: Um ótimo músico, tão triste que faleceu.
Saeko: Ele faleceu por acidente em abril deste ano. Quase um mês antes de sua morte, ele, eu e V. Santura conversamos novamente, para tê-lo como convidado em meu próximo álbum, para cantar alguns corais masculinos novamente. Ele ficou feliz em ouvir minha volta e gravou os backings. Foi muito divertido que eu estivesse pensando em pedir a ele para gravar meus vocais novamente no futuro. Porque ele era o melhor para mim como produtor vocal. 

Então, logo depois disso, ele partiu deste mundo. Fiquei chocada, pois provavelmente fui eu quem gravou sua última apresentação. Você entende o que isso significa? Eu senti que era o destino.
De qualquer forma, ele e eu fizemos ótimas músicas juntos. Lars e eu éramos idealistas livres, apaixonados e ousados. Tenho certeza que o encontrarei novamente na minha próxima vida. É estranho que eu tenha tanta certeza.



RtM: E o álbum "Life"? Algumas coisas não estavam indo como você esperava? Fale um pouco sobre esse álbum também.
Saeko: Não foram bem, e eu tive que voar de volta para o Japão, como expliquei acima. Além disso, usei todo o meu dinheiro e foi muito difícil para mim sobreviver no dia seguinte. Se bem me lembro, comecei a dar entrevistas de emprego um mês depois do lançamento, pois realmente tinha que sobreviver de qualquer maneira. Sem dinheiro para amanhã em mãos, eu estava muito deprimida, então recebi mensagens de fãs da América do Sul, dizendo "Por favor, venha tocar no meu país". Eu estava tipo, "Sim, eu gostaria! Mas não tenho dinheiro para isso!"


RtM: E sobre os planos após o lançamento de "Holy Are We Alone"? Assim que possível, já existem contatos para shows?
Saeko: Espero montar alguns shows, então preciso encontrar uma boa agência de booking para me ajudar. Infelizmente, não posso configurar todas essas coisas sozinha. Mas, claro, não quero terminar só lançando um álbum, como da última vez. Então, por favor, me deseje sorte em encontrar uma boa agência desta vez e fazer isso.



RtM: Obrigado pela entrevista, esperamos que o novo álbum tenha uma ótima recepção, qualidade sabemos que tem!
Saeko: Muito obrigada de minha parte também. Pessoas como você apoiando minha música. Realmente, eu agradeço.

Nenhum comentário: