sábado, 1 de dezembro de 2018

Entrevista: Luís Mariutti - A Reunião do Shaman, Um Pouco de História e Planos Futuros



Luís Mariutti é uma das figuras mais queridas e expressivas do Metal brasileiro, reconhecido mundialmente pelo seu trabalho principalmente como o Angra e depois Shaman, André Matos Band, e claro,  outras bandas relevantes como Henceforth, About 2 Crash e Motorguts. A nova empreitada, o Sinistra, e também a mais festejada novidade, a reunião do SHAMAN, são os principais acontecimentos da carreira do baixista neste 2018. (English Version)

São mais de 3 décadas de carreira, onde além dos grupos citados acima, Mariutti gravou com alguns dos principais nomes em termos de produção no cenário Metal, como Chris Tsangarides, Roy Z, Charlie Bauerfiend e Sascha Paeth. Reconhecidos por diversas publicações como um dos melhores baixistas do Heavy Metal mundial, como na japonesa Burrn, e no Brasil chegou a ser escolhido o melhor baixista por 12 anos consecutivos. Além do Metal, Luís também é um aficcionado por esportes, como futebol e artes marciais. Falando em futebol, quem não lembra do apelido "jesus", que recebeu no saudoso programa MTV Rock e Gol, onde Mariutti mostrava seus dotes como zagueirão!

Agora em 2018 os fãs receberam uma notícia esperada há tempos, o retorno do Shaman. E o que seria apenas um concerts, foi ganhando proporções maiores, com a reunião transformando-se praticamente numa tour e abrindo a possibilidade de um retorno definitivo, com álbum novo e tudo! Conversamos com Mariutti para falar sobre essa reunião, o futuro do Shaman, um pouco de história e outras novidades! Confira:              


"Os shows estão sendo incríveis, o que torna a convivência cada vez melhor, e é daí que saem as decisões futuras."
RtM: Olá Luís, obrigado por arrumar um tempinho pra nos responder! Sobre esse retorno com a formação original do Shaman, algo que muitos fãs esperavam e pediam. Conte um pouco para nós como foi surgindo e amadurecendo essa ideia?
Luís Mariutti: Eu já tinha conversado separadamente com todos os outros integrantes, sobre essa possibilidade, mas só com a ajuda dos fãs as coisas se desenrolaram. Acho que isso fez com que tivéssemos a dimensão do quanto eles queriam essa reunião, dando um sentido pra tudo isso.

RtM: E como vocês estão se sentindo atualmente? Para muitos, o rompimento da banda deixou um vazio, uma obra inacabada, pois se esperava uma longevidade do grupo. Você sente que é possível vocês voltarem a fazer músicas novas juntos, e quem sabe seguir de onde pararam e lançar um trabalho novo com essa formação?
LM: As coisas estão acontecendo naturalmente. A primeira ideia era um show, que viraram oito e, na minha cabeça eu gostaria de fazer bem mais. Se esses outros shows se concretizarem, teremos muito tempo juntos para pensar em um futuro para a banda.

"A ajuda dos fãs fez sentirmos a dimensão, dando um sentido para tudo isso"
RtM: Quando uma banda como o Shaman anuncia um retorno, criam-se muitas expectativas. Como tem sido o feedback dos fãs? E a demanda por shows? O que era para ser um show, se transformou numa tour praticamente. Isto pode se tornar algo maior? Acredito, inclusive, que tenha chamado a atenção de selos e gravadoras.
LM: Como disse anteriormente as coisas estão acontecendo naturalmente e de uma forma muito positiva. Temos a FreePass trabalhando conosco, e tenho a total confiança que tudo está sendo planejado da melhor maneira para todos.  Os shows estão sendo incríveis, o que torna a convivência cada vez melhor, e é daí que saem as decisões futuras.

RtM: “Ritual” foi lançado pela Universal, e inclusive emplacou um sucesso comercial que atingiu um público fora do Metal, com a balada “Fairy Tale”, que virou até tema de novela. A banda lançou um DVD e também teve uma extensa tour.  Mas apesar desses resultados houve rompimento com a Universal, e também era sinalizada uma mudança de direcionamento na sonoridade. Conte pra gente o porquê dessas mudanças e a troca de gravadora?
LM: O direcionamento musical foi uma mudança natural, foi o que saiu da banda naquele momento, não teve nada a ver com troca de gravadora. Que por sua vez foi feita, pensando em ter uma gravadora que estivesse mais próxima do Rock.

RtM: Gostaria que você comentasse um pouco sobre o “Ritual”, que foi a estreia de vocês. Luís, Ricardo e André, após a saída do Angra, e contrariando algumas expectativas, pois para muitos seria até mais confortável seguir por um caminho parecido ao da sua banda anterior, mas vocês buscaram uma sonoridade e uma cara bem própria.
LM: É um disco que me orgulha muito. Penso sempre nos discos que gravei como uma continuidade natural da minha música. Naquela época apostamos nos climas, no peso, sem esquecer das características que nos levaram ao sucesso com o Angra, inovamos. O Shaman tem muito disso, sempre buscamos dar o melhor de nós, sem fórmulas, apenas permitindo as ideias fluírem.


RtM: O “Reason” foi um disco que dividiu, e ainda divide, muitas opiniões (eu achei e acho uma baita disco! Soa mais pesado e mais “dark”, trazendo novos elementos ao som da banda). Como você avalia e vê esse trabalho agora, 13 anos depois do seu lançamento? Provavelmente muitas pessoas demoraram um pouco a entender esse disco, e mudaram de opinião.
LM: O "Reason" é um disco muito bom de tocar, eu particularmente gosto muito e, acho que as execuções nos shows tem sido surpreendentes, acho também, que isso ajuda a quem tem uma certa dificuldade em compreende-lo.

RtM: Lembro de um músico, inclusive de uma banda bem conhecida de vocês, que em uma entrevista criticou o “Reason”, dizendo que era um álbum aquém do que vocês poderiam ter feito, e que o fato de declararem ter partido para um direcionamento mais direto e pesado, era uma desculpa porque vocês haviam se transformado em músicos desleixados. Na época me pareceu também haver sido criada, por parte de imprensa e até fãs, uma certa “disputa” entre Angra e Shaman.
LM: Acho que ele deve ter ficado com inveja de termos gravando um ótimo disco com poucas notas! (risos)

RtM: De “Reason”, quais as suas faixas preferidas e as que você acha mais fortes?
LM: A "Reason" é a minha preferida, apesar de gostar de todas as composições desse disco.

RtM: Lembro que antes da separação, a banda chegou a anunciar que estaria preparando um EP com músicas novas. Existem composições que ficaram prontas? Vocês chegaram a definir o direcionamento do que seria o trabalho seguinte?
LM: As músicas que ficaram prontas saíram no disco do Andre Matos "Time to Be Free" (2007), uma delas é a "RIO".

"No Shaman sempre buscamos dar o melhor de nós, sem fórmulas, apenas permitindo as ideias fluírem."

RtM: Do alto de sua experiência, como músico, se pudesse voltar no tempo, que conselhos você daria ao jovem e iniciante Luís?
LM: Nenhum. As coisas aconteceram naturalmente na minha carreira e, tive grandes pessoas que me deram conselhos que me fizeram chegar até aqui. Consegui tudo na minha carreira através de muito esforço pessoal, me orgulho disso e não mudaria nada.

RtM: Além desses shows com o Shaman, sobre seus projetos pessoais em bandas, o que você tem de novidades para adiantar aos fãs?
LM: Estou gravando para a banda Sinistra (foto abaixo) que conta com Edu Ardanuy (guitarra), Nando Fernandes (vocal), Rafael Rosa (bateria), e é uma banda com uma pegada Sabbath, cantado em português. Está ficando muito bom e, será lançado ano que vem, fiquem ligados! Mantenho também a banda Dirty Dogz com o atual vocalista do Viper, o Leandro caçoilo, onde fazemos clássicos do Metal e hard rock. Fora o meu canal no youtube que tem quase 20000 inscritos e tenho me dedicado semanalmente a ele.


Entrevista: Carlos Garcia
Fotos: Divulgação

Canais Oficiais:
Facebook
Youtube
Instagram

Shaman Facebook



       

       

       

       

8 comentários:

Lírian Poli Beretta disse...

Que entrevista fantástica
Amei

Ricardo A. disse...

parabéns pela entrevista.

Anônimo disse...

Muito bom! Sou fã desse cara

Unknown disse...

O que mais gosto no Luís é que ele não enrola nas respostas, sempre muito preciso e direto. Muito boa a entrevista.

Cristiane Mendes disse...

Muito boa a entrevista!

Elson Felipe disse...

Curioso e ansioso pelo som do sinistra.

Loja Radioativa disse...

Papo reto, literalmente. Agora ficamos na expectativa do que tem por vir!!!

Harley Halbergson disse...

Luís deixou no ar muita coisa. Acho que os planos de gravar um novo álbum serão meio que surpresa.