quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Accept Para Ninguém Colocar Defeito: Heavy Metal Anos 80 em 2010


Ter diante de mim o novo lançamento da banda alemã Accept é de uma tremenda responsabilidade, já que o disco já esta sendo considerado pelos fãs como o melhor da década, e um dos 4 melhores álbuns da banda e o melhor sem UDO (e superior há vários com este).



A banda que estava inativa desde 1996, quando lança seu último disco “Predator” (embora continuasse a realizar alguns shows ao longo dos anos), voltou após 14 anos com “Blood of the Nations” (2010), álbum que marca a estréia da nova formação, mesclada com a volta de antigos membros. Antes havia lançado o EP "The Abyss" que já mostrava que o novo trabalho seria matador.



O álbum foi gravado na Inglaterra e produzido pelo renomado produtor e músico Andy Sneap, responsável por trabalhos com bandas como Megadeth, Nevermore, Arch Enemy e várias outras. O álbum, ao longo das 13 faixas (contando com um bônus), marca quase 80 minutos de duração, sendo o disco mais longo do grupo.

Mas quem pode pensar que os caras voltaram modernos, para fazer um som mais atual como vem os muitas bandas antigas fazendo, se engana. Talvez este seja, paradoxalmente, um dos melhores álbuns oitentistas da história do Metal. Isso na o é exagero, em se tratando dos mestres do gênero, os alemães Accept, que agora contem com o novo vocalista Mark Tornillo (ex- TT Quick) e a volta do lendário baixista Peter Baltes, membro da formação clássica.



Este álbum tem feito com que muitos fãs comecem a falar: “Udo? Quem é?”. Exagero à parte, a verdade é que Udo já fez sua história e nunca conseguiu gravar um disco à altura de seu trabalho ao lado das lendas vivas Wolf Hoffmann e Herman Frank nas guitarras (criadores de rifss clássicos do Metal), Stefan Schwarzmann na bateria e o já citado Baltes no baixo.



A volta do grupo com o desejo de um novo disco, aliada a reunião com Baltes, Stefan e Hermann, e coroado com a chegada do relativamente conhecido Mark Tornillo (Vocal) nos faz deixar Udo na memória, tamanho o clássico que os alemães nos presentearam desde o dia 20 de agosto, data essa que ficará na história como o dia em que o Accept, finalmente, voltou.



Muito difícil nomear destaques. Canções como “The Abyss”, “Rolling Thunder “, “Teutonic Terror” , “Blood of the Nations”, “Pandemic” (que solo de guitarra inspiradíssimo) e “Beat the Bastards” são fortes candidatas a maiores clássicos da carreira da banda e estão entre as melhores que ouvi em muito tempo.



Num ano com muitos lançamentos de peso (vide Iron Maiden, Angra, Blind Guardian, Avantasia, etc.), “Blood of the Nations” é forte candidato à melhor álbum do ano, e com certeza um dos melhores desta nossa década.



Hoffmann (guitarra) está mais inspirado do que em muitos dos últimos discos, tirando de sua guitarra seus melhores riffs. Aliás, a produção conseguiu deixar o som bastante orgânico, natural, como se saído de uma máquina do tempo, da época em que a banda, ainda com Udo, lançava discos como “Balls to the Wall” (1983) e “Metal Heart” (1985).



O retorno de Stefan Schwarzmann às baquetas do grupo também merece o destaque. Essa lenda do Metal alemão sempre conseguiu tirar da bateria as melhores notas quando o assunto é Heavy Metal clássico e, neste disco novo, não foi diferente. O cara detona.

A volta do grupo como quinteto também fez bem à sonoridade, já que a banda ficara apenas com Hoffmann responsável pelas guitarras em 1992 e somente agora voltou a contar com uma dupla para a função.



Tornillo detona e se mostra como o perfeito sub stituto de Udo. Infelizmente a banda não acertou a mão com David Reece (que gravou “Eat the Heat” em 1989), mas agora, Tornillo está no lugar que lhe pertence e não decepciona. Aliás, a banda traz vários backing vocais em coro, como na faixa-título e em “New World Comin’”, o que dá todo o clima oitentista.

Não há mais o que falar desse já clássico disco. Somente escutando para saber do que falo. O novo trabalho do Accept mostra que o Heavy Metal oitentista ainda está no seu sangue e que, se depender deles, nunca morrerá.

Stay on the Road

Texto: EddieHead

Ficha Técnica

Banda: accept
Álbum: Blood of the Nations
Ano: 2010
País: Alemanha
Tipo: Heavy Metal



Formação

Wolf Hoffmann (Guitarra)
Peter Baltes (Baixo)
Mark Tornillo (Vocal)
Herman Frank (Guitarra)
Stefan Schwarzmann (Bateria)



Tracklist

01. Beat The Bastards
02. Teutonic Terror
03. The Abyss
04. Blood Of The Nations
05. Shades Of Death
06. Locked And Loaded
07. Time Machine (Faixa bônus)
08. Kill The Pain
09. Rollin’ Thunder
10. Pandemic
11. New World Comin'
12. No Shelter
13. Bucketful Of Hate

Nenhum comentário: