sábado, 6 de outubro de 2012

Resenha de Show: Epica Volta ao Solo Gaúcho e Faz Show Memorável

2º passagem da banda por Porto Alegre levou grande público na noite de 30/09


A Abstratti Produtora acertou mais uma vez em trazer uma banda em evidência e que possui uma grande legião de fãs no Rio Grande do Sul e uma dessas bandas é a Epica, que voltou depois de mais de 2 anos desde sua estreia em terras gaúchas.

Sastras fez uma boa apresentação e agitou o público do Bar Opinião

Com o Bar Opinião em Porto Alegre/RS praticamente lotado, com uma fila que desde o meio da tarde já mostrava-se extensa, os fãs esperavam ansiosos pelo grupo liderado por Simone Simons (vocal) e Mark Jensen (guitarra e vocal), que já haviam tocado em São Paulo e Rio de Janeiro, encerrando na capital gaúcha a sua parte brasileira da turnê sul-americana.

Sastras
Para a abertura, a banda de Butiá/RS Sastras, que ainda está preparando seu primeiro EP. Polêmicas à parte, a verdade é que muitos (inclusive este que vos escreve) estavam apreensivos se a jovem banda daria conta de agitar o público para o show esperado e, mesmo sabendo da qualidade do grupo, esperavam um show pouco expressivo.

Bom, a banda surpreendeu positivamente, levantou o público, mostrou que está melhorando tanto nas composições quando em cima do palco e tem tudo para, aos poucos, galgar um espaço interessante dentro da cena.

Com 40 minutos de atraso, as 21:40, a introdução “Karma” ecoa pelo Bar e o público ansioso sabe que a Epica está de volta. Com o palco mais simples que da vez passada, a verdade é que a energia já colocada em “Monopoly on Truth”, do álbum recente “Requiem For the Indifferent” (2012), fez toda a atenção se voltar para a banda, que apareceu um por um no palco, culminando com Simone Simons, uma das maiores musas do Metal mundial.

Seguiu-se a mais que clássica “Sensorium”, mostrando que a banda não economizaria nas canções que o público sempre espera ouvir. E, falando em clássico, após a receptividade monstra do público (realmente ensurdecedor) e do “Porto Alegreeeeeeee!” gritado por Simone, “Unleashed” tirou o fôlego de todos, pois é, provavelmente, um dos maiores clássicos da banda (nada de deixar para o bis).

Mark Jensen, um dos mais carismáticos da noite

“Martyr of the Free Word” pôs o Opinião abaixo, canção essa que Mark Jensen mostra toda a sua energia e simpatia, não economizando sorrisos ao público e sempre chamando-o a agitar. Aliás, toda a banda parecia estar numa verdadeira festa e, se alguém esperava alguma coisa como comportamentos “esnobes”, acabou vendo a banda muito ativa e feliz com o público, como o tecladista Coen Janssen, literalmente fazendo uma festa no palco.


A musa Simone Simons mostrou seu talento novamente aos gaúchos

O show que durou quase duas horas trouxe vários outros clássicos, como “Cry For the Moon”, “Quietus”, “The Phantom of Agony”, músicas esperadas pelos fãs que cantavam à plenos pulmões. A histeria certo momentos chegava a atrapalhar quando Mark ou Simone se dirigiam ao público e não conseguíamos entender corretamente tudo o que falavam pois havia alguém gritando “Simone!! Mark!!” no seu lado.

Mas isso não impediu de percebermos que a banda toda estava gostando do clima e o público gaúcho fazia um barulho imenso a cada término das canções, acompanhando com os braços e gritos as solicitações de headbanging de Simone, Mark e Isaac, este último mostrando que é sim um importante membro da banda também no palco, além e se mostrar educado e simpático com o público e mídia (entrevistamos ele antes da turnê passar por aqui).

Do novo álbum, que não teve algumas músicas apenas executadas, tivemos, além de “Karma” e “Monopoly on Thruth”, a música de trabalho “Storm the Sorrow”, bastante esperada como novidade e, à exemplo dos clássicos, cantada em uníssono pelo público, com show de Mark nos guturais. O cara estava possuído!

Também do mais recente trabalho, tivemos “Serenade of Self-Destruction”, um dos mais pesados do disco, com coral de arrepiar e que, numa ascendente, coloca todos acompanhar com os braços o ritmo. Ficou ainda melhor ao vivo. 

Um momento especial do show, sobretudo para a jovem Júlia Ungaratti, foi quando esta foi convidada a subir ao palco, para ficar junto da banda durante a execução de “Quietus”, outro clássico dos holandeses. Escolhida a dedo por Isaac, a jovem não controlou a emoção, mas agitou muito no palco ao lado de seus ídolos. Grande demonstração da valorização dos fãs pela banda.

Vocalista prometeu voltar com a banda em breve

Após “The Phantom Agony”, a banda sai do palco mais que ovacionada, para dar um intervalo e voltar com o bis. Aqui vale a brincadeira do tecladista Coen, que veio falar com o público, “atiçando” os gaúchos falando do quão grandioso fora os públicos de São Paulo e Rio de Janeiro, fazendo os gaúchos gritarem o mais alto possível.

Júlia realizando um sonho de qualquer fã: "cantar" um clássico da banda COM a banda

Para voltar ao palco, Simone e Coen iniciam a execução daquela que é, provavelmente, uma das mais belas baladas da banda, do mais recente disco. “Delirium” teve direito à parte acústica, com um clima para jamais se esquecer. Aqui, pudemos nos deliciar com a beleza e talento de Simone, arrancando lágrimas de parte do público.

Seguiu-se a surpresa “Blank Infinity”, do aclamado disco “Consign to Oblivion” (2005), que leva a banda ao final do show, com a faixa-título deste álbum, encerrando um set list de 15 canções e quase duas horas de espetáculo.

Uma noite para jamais esquecer, tanto quem já viu a banda (teve pessoas que haviam ido aos dois shows anteriores desta turnê), como quem a via pela primeira vez, como este que vos escreve. A banda deixa o Brasil e se dirige ao Uruguai, com a certeza do ótimo reencontro com os fãs (na saída ainda conseguimos conversar com alguns membros da banda) e levando na bagagem o carinho dos novos admiradores. E eles prometeram voltar em breve. Ficamos no aguardo.

Stay on the Road


Texto e edição: Eduardo Cadore

Revisão: Izabella Balconi

Fotos: Izabella Balconi e Eduardo Cadore (Road to Metal)

Agradecimentos: À Abstratti produtora, na pessoa do Homero, por acreditar no nosso trabalho. Aos amigos Uillian Vargas e Meikel Mueller pela parceria na fila e dentro do Opinião.

GOSTOU? Então curta nossa página no Facebook clicando aqui.

Set List
Karma
Monopoly on Truth
Sensorium
Unleashed
Martyr of the Free Word
Serenade of Self-Destruction
Cry for the Moon
Storm the Sorrow
The Obsessive Devotion
Sancta Terra
Quietus
The Phantom Agony

Bis
Delirium
Blank Infinity
Consign to Oblivion


Confira mais fotos no nosso facebook clicando aqui.

Assista "Martys of the Free Word" ao vivo em Porto Alegre por Daniel Lopes

Um comentário:

Daniel Lopes disse...

Esse vídeo que postaram aí no fim da matéria foi eu quem filmou. ! heheh ! créditos para mim